Por que ser vegetariano?

Eu ainda estou em processo de vegetarianismo (o qual eu só comecei a levar a sério lá por maio de 2017) e eu acho que isso faz com que quem está pensando em virar vegetariano se identifique mais com esse post, com que tudo soe um pouco mais realista e adaptável a sua realidade! Quero dizer, não sou vegetariana a 5 anos, não sou uma “profissional”, eu ainda estou me adaptando e se você abriu este post, então, você provavelmente tem interesse em passar por esse mesmo processo que eu estou vivendo agora! Ah, um vídeo que está nesse post vai ser muuuito interessante para tudo isso, de tá outros motivos além dos animais e a sua saúde!

Esta é a minha história (profundo demais? talvez), com lições que eu aprendi e milhões de motivos para quem também quer entrar nessa de ser vegetariano.

AVISO: Esse post pode ser um gatilho, não vai ter nada visual, mas vou falar nos textos, vai conter conteúdo mais pesado porque o vegetarianismo trata disso! Tomem cuidado, okay? Saúde mental em primeiro lugar!

Vamos ao que interessa logo!

Qual a sua motivação inicial?

Acho que a motivação inicial é muito importante! É um processo que pode ser muito complicado para algumas pessoas (acredito que a maioria tem alguma dificuldade em se adaptar) e por isso precisa de motivação.

Esta é a minha história de motivação vegetariana: faz uns dois anos que eu mal como carne, mas antes disso, não vivia sem! Foi uma coisa natural, aleatória, o consumo diminuiu drasticamente de quantidade sem eu nem notar. Foi assim que tudo começou para mim.

Você provavelmente não sabe, mas eu tenho uma fobia real de exame de sangue (fobia mesmo e não simplesmente muito medo), só de digitar eu fico arrepiada, meu braço parece que começa a travar e a ansiedade vai lá pra cima. É uma fobia que me paralisa, me faz chorar de pânico só em pensar, é realmente muito forte! Isso faz com que eu tenha um grande problema com agulhas (tatuagem não entra nessa porque a agulha é muito superficial) e de quebra, eu tenho síndrome vaso vagal (pior nome de doença, mas basicamente um dos sintomas é você passar muito mal quando vê sangue e afins). Todo esse meu “drama” com sangue me fez começar a olhar para pedaços de carne, ver um pouco de sangue no fundo do prato e me afastar, pensar que sangue rodou em veias por ali me dava (e ainda dá) arrepios. Juro, eu estou tremendo enquanto digito só de pensar na palavra sangue tantas vezes.

O fator “são vidas” também foi sempre muito importante e motivacional (foi ficando muito mais importante pra mim com o tempo, mas já já falo mais disso) mas ridiculamente, não foi motivação o suficiente pra eu realmente tentar mudar meu estilo de vida!

Se os animais são o suficiente para você parar (admiro, acho horrível como não era suficiente para mim) ou você quer fazer com que seja, a dica é: pesquise, procure, veja documentários, as informações são tão pesadas e horríveis que vão se tornar uma motivação para não participar de nada disso.

É um processo!

Em cerca de uns 55% deste ano fiquei com uma dieta ocasionalmente piscitariana (ou seja, não comia qualquer carne além de peixe) e isso que “boicotou” o vegetarianismo, mas, foi uma evolução absurda de comer carne em todas as refeições todo dia, para falar a verdade! Como eu digo no meu about me, fiquei alguns meses até com uma dieta 100% vegana (o que incluía o vegetarianismo) e alguns outros sem comer ovo, leite e essas coisas que a gente tira da dieta vegana (até porque veganismo é muito mais do que só alimentação), mas comendo salmão. A realidade é que eu não como um pedaço mesmo de carne (carne pura, não embutidos), desde março, pelo que eu lembro. Comi alguns embutidos ocasionalmente (e me sinto péssima por isso) mas estou tirando cada vez mais e quero, realmente, nunca mais comer! Mas todas essas variações e “falhas”, na minha opinião, fazem parte desse processo!

É realmente um novo estilo de vida. Infelizmente, no mundo que a gente vive, é bem mais prático comer carne! As opões práticas e rápidas diminuem quando você corta isso da sua dieta, por isso é questão de adaptar a sua vida em volta disso, além de aprender a ver que não precisamos de carne para comer coisas saborosas e que, vegetarianismo não é simplesmente comer brócoli e batata, é muito bom mesmo, só precisa sair da caixinha onde aprendemos a nos alimentar.

Paciência com você mesmo, nem todo mundo consegue virar vegetariano de hoje para amanhã. É uma mudança de vida então, você tem tempo e é válido dizer que diminuir a quantidade já é um impacto absurdo. Por exemplo, quando eu deixei de comer carnes que não eram de peixe, eu deixei de alimentar uma industria horrível de matadouros que tortura vidas. Isso já é algo gigantesco!

A culpa que motiva!

Sabe a motivação inicial? Cultive ela! Uma coisa que eu notei muito quando comecei a comer carne de meses em meses é a força que eu fazia pra mastigar. Não, a carne não estava dura, muito pelo contrário, só que todo o resto das coisas que eu como que são vegetarianas eram bem mais “fáceis” de mastigar e isso criou na minha cabeça uma coisa de: é assim porque é a carne de um ser vivo que eu estou destroçando com os dentes e isso já é tema de filme de terror de tão errado.

Depois disso, no dia das mães, foi quando eu decidi levar essa história de vegetarianismo mais a sério. Estava em um almoço de família e de repente, me vi sendo a “vegetariana chata”. Alguns parentes estavam cortando um pedaço de costela de boi (que sempre foi a carne que que amava, NUNCA consegui resistir e simplesmente não comer) e pareceu que o mundo parou. Fiquei tonta, tudo desfocou, o fundo ficou preto e tudo o que eu conseguia ver era alguém fazendo força para que a faca passasse pela carne, a carne de um ser vivo sendo cortada. Eu só conseguia ver um boi, do jeitinho que a gente conhece, como o da foto aqui em baixo, morto, sangrando e sendo cortado.

Agora no natal, chorei de verdade pensando em todos os seres vivos que eu já “matei’ (incluindo peixes, o que é novo para mim) por causa aquele vídeo de um peru que foi resgatado do matadouro e estava chorando. Mas como eu disse, isso ficou bem mais forte com o tempo para mim.

Além disso, o planeta sofre com o alto consumo de carne! A alimentação que temos hoje em dia não é mais sustentada pelo planeta, comer carne ajuda com o efeito estufa e por mais bobo que soe, é verdade, dá uma pesquisada, assista alguns vídeos, você vai entender o porque disso. Sabia que 24% dos gases que contribuem para o efeito estufa tem relação direta com a nossa alimentação? Isso é o dobro da poluição que todos os carros no mundo causam! Um vídeo que fala muito sobre isso (e na verdade, faz parte de uma sequência que eu gosto muito) é este aqui, fiquem tranquilos que ele é bem leve e divertido, nada de documentário assustador sobre matadouros, porém, infelizmente, só está disponível em inglês, mas temos sempre a opção de tradução automática na legenda do Youtube e sinceramente, vale o esforço de ter que tentar entender o que a legenda quis dizer:

 

Bem estar!

Acredite em mim, se você ficar um tempo sem comer carne e do nada comer um pouquinho, você vai passar mal! Como eu sempre digo, podemos ficar anos sem comer salada que quando comermos, não vai fazer mal e isso, na minha opinião, já diz muito!

Nossa, e a dieta vegana então, o bem estar que fica no corpo é surreal! Vale o esforço! Veganismo é realmente a minha meta final, eu consegui ver o quanto faz toda a diferença e tento manter o veganismo o máximo que consigo atualmente!

Falando em bem estar, VÁ EM UM NUTRICIONISTA e não, não é frescura e nem algo super complicado! A carne contém sim vitaminas que são essências pra gente, fale com um nutricionista que apoie o vegetarianismo que ele vai te ajudar a não precisar voltar a comer carne pela sua própria saúde, você pode tomar suplementos vitamínicos, enfim, são muitas opções, então não transforme uma alimentação vegetariana saudável que diminui chances de diversas doenças em algo ruim por falta de vitaminas.

Uma das maiores vantagens de ser vegetariano é a diminuição do risco de doenças cardiovasculares, como a arteriosclerose e o infarto. Isso porque o consumo excessivo de carne pode elevar os níveis de LDL no sangue, o que significa um maior acúmulo de partículas de gordura na parede das artérias e um elevado risco de entupimento dos vasos e também de infarto.

Segundo uma pesquisa publicada em 2013 que contou com a participação de 44.000 pessoas, indivíduos que seguiram uma dieta vegetariana apresentaram uma probabilidade 32% menor de desenvolver doença cardíaca em comparação às pessoas que incluíram carne regularmente na dieta.

Leia mais: http://www.mundoboaforma.com.br/8-vantagens-de-ser-vegetariano-beneficios-e-dicas/#GbJrWMuk4er8cPPc.99

Tem alguma dúvida, dica para mim, sugestão, erro no texto (sobre o vegetarianismo em si por exemplo, afinal, como eu disse, pesquisei muito, mas ainda estou começando) ou seja o que for? Pode perguntar aqui nos comentários ou nas minhas redes sociais, que normalmente é o que vocês preferem! Sempre posto antes vs. depois de comidas vegetarianas e sem glúten nos meus stories, agora em 2018, a ideia é começar a colocar receitas por lá e aqui no blog!

Você já me segue no Instagram? Lá eu aviso quando saí post novo, além de postar tutoriais nos stories e muitas fotos! Ah, fala comigo pela dm, juro que sou legal!

J.D


Siga o blog e saiba antes de todo mundo que tem post novo no Lua de Vênus.
siga no BLOGLOVIN +  ou  + siga no BLOGS BRASIL +

twitter – tumblr – fanpage – instagram

 

2 Comment

  1. Olá Juliana, tudo bem?

    Que bom que você postou sobre isso, é um assunto que me interessa! Achei bem interessante suas motivações e experiências. Também achei legal você falar sobre a fobia dos exames de sangue, às vezes temos a tendência (e a opinião pública, em geral, que não pensa antes de falar tem muitíssimo esta tendência) de julgar como “frescura” algo que não conhecemos, o que é péssimo, né? Quem já passou por alguma fobia sabe como isso é ruim, empatia é bom né?

    Mas enfim, falando do vegetarianismo. Desde que eu assisti aqueles documentários de Ongs que protegem os animais como a PEA fiquei chocada em como os animais são tratados para o abate comercial. Então chegava a ficar alguns dias sem comer carne, mas como todos aqui em casa comem, o vegetarianismo durava no máximo alguns dias.

    Então só em 2017 quando comecei a frequentar uma nova religião ficava sem comer carne (mesmo peixe), na sexta e muitas vezes no sábado. Olha foi bem difícil no começo, porque aqui em casa sempre tem frango e muita gente acha que tudo bem comer carne branca (para o preceito religioso), mas enfim, a instrução que eu tive foi de não comer nenhum tipo de carne e cada vez mais foi fácil seguir nestes dois dias,

    Assim, acabei conhecendo novos amigos que eram vegetarianos sempre (consumindo ovo e leite e té alguns veganos), eles foram me dando dicas e eu fui fazendo as substituições.

    Quando eu trabalhava era mais difícil, a sorte é que tinha uma opção de prato com omelete, mas enquanto eles variavam as misturas com carne, era sempre o mesmo omelete (o que me fez enjoar e começar a cozinhar e levar marmita)

    Depois que saí da empresa e estou em período em casa ficou mais fácil porque eu tinha mais tempo para fazer a comida, acabei fazendo alguns testes com a preteína de soja, foi divertido.

    Não sinto falta de frango, mas para mim é bem difícil parar de comer peixe, ainda mais porque eu amo comida japonesa. DE Outubro a Dezembro, comi carne bem ocasionalmente, lembro que no aniversário do meu pai eu comi peixe.

    Agora com as festas eu relaxei tudo e acabei comendo carne vermelha também (ia acabar soando meio como uma desfeita se eu nem provasse os pratos no Natal/Ano Novo) e aí eu descobri que você está coberta de razão quanto a isso de passar mal. Comigo não acontece nada drástico, é meio como uma diarreia, não como aquelas super fortes de quando se tem uma viroso, algo mais controlável e suave, porém eu comecei a me sentir super pesada, enfim, não foi bom a reação, parece que meu corpo meio que se sentiu intoxicado e só sossegou quando os resíduos foram eliminados.

    Ontem já comecei tudo de novo, mas podendo comer ovo e leite não acho tãooooooo complicado assim manter a dieta, o chato é que todo mundo aqui em casa come carne (inclusive umas super cheirosas e tentadoras), mas minha mãe acaba fazendo uma salada ou opção com legumes para mim quando ela cozinha.

    Espero que em 2018 a gente consiga persistir neste caminho mais consciente!

    Feliz Ano Novo!

    Beijos

    1. Juliana D'Ornellas says: Reply

      Fico feliz que tenha gostado, Dani!
      Empatia é bom demais! A gente não é ninguém pra julgar como “frescura” alguma coisa na vida de outra pessoa, né?

      Eu também também comi carne no Natal! Até tive uma opção vegetariana especialmente feita para mim pela minha mãe, mas acabei comendo um farofa que eu gosto muito e tinha carne porque não fizemos uma versão dela, como resultado, passei mal! 🙁 Minha irmã disse alguma coisa um dia sobre peixes e desde então, tenho muito dó e não comi mais hahaha foi uma frase na brincadeira mas que atingiu fundo, nem lembro o que era, mas certeza que vou sofrer com isso dos peixes no futuro, porque sushi né haha! Estou procurando uns sushis vegetarianos pra ver se gosto de algum. Essa é a minha solução sempre, achar um “substituto” vegetariano que não me deixe passar vontade.

      Na verdade, nesse ano, até agora, tive uma dieta vegana todos os dias! Me obriguei a fazer isso para me recuperar da carne do Natal que ainda está fazendo mal (longa história, mas tenho uns problemas de saúde com digestão então quando eu como carne depois de muito tempo sem comer é pior que o normal e o normal, já é beeem incomodo!) e a dieta vegana me ajuda demais! Parece que limpa o corpo, não é?

      Isso que você disse de se sentir pesada depois de comer carne, também é a mais pura verdade!

      Boa sorte pra gente em 2018 com tudo isso!

      Beijos!

Leave a Reply