Every Day: um filme romântico que QUASE foi diferente

NOTA: ☆ 2,8 de 5

O filme…
que poderia ser sensacional, mas se esqueceu disso na metade.


Uma menina chamada Rhiannon se apaixona por A, um espirito misterioso que habita um corpo diferente em cada dia. Os dois tentam se encontrar todos os dias, sem ter qualquer certeza sobre o dia seguinte ou em que corpo A vai estar no próximo dia já que ele não pode controlar isso. Não pense que é de terror – meio espirito maligno, possessão – porque na realidade, é bem fofo. É mais como se fosse uma personalidade que, de repente, acorda em um corpo diferente (não porque escolheu isso ou um dia morreu, só nasceu assim), mas a essência dela é a mesma. O dono do corpo não lembra direito do dia e A vai aprendendo sobre esta pessoa ao longo das 24 horas que nem no corpo dela. Na verdade, A é uma pessoa muito boa, legal e cativante, ou melhor, um espirito (não sei, a nomenclatura me confunde) que é tudo isso.

No início de Every Day, jurei que tinha achado o filme de romance da minha vida. Fiquei completamente cativada pela história e a personalidade de A é muito gostosa de se acompanhar – principalmente no 3º corpo em que vemos ela – e a grande maioria dos atores diferentes conseguem manter razoavelmente bem a mesma personalidade. Sinceramente, eu gostaria de ter assistido o filme sem nenhum contexto porque com certeza minha reação séria um enorme “O QUE?” quando tudo começasse a ser mais ou menos explicado.

Ao longo do filme, tudo se perde um pouco, parece que o grande diferencial que começou muito legal e poderia transformar o filme em um versão teen, menos complexa e fofa de Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças cai em algo bem mais clichê. Nisso jogou um grande pedaço do potencial desse enredo todo fora. Deixou o roteiro bem mais básico, normal e menos cativante. Continua sendo um filme legal – eu me apeguei nos personagens, a ideia é diferente, eu gostei da grande maioria dos atores – só que poderia ser um filme sensacional.

Image result for every day movie

Tanto esta proposta que, sinceramente, não sei nem como chamar – metafísica? espiritual? sci-fi? fantasiosa? – quanto o fato de que por A habitar tantos corpos de pessoas com vidas diferentes ele dá de cara com muitas realidades (relacionamentos familiares problemáticos e diferentes, amizades complicadas, questões LGTB e até dramas mais pesados como suicídio) tinham tudo para fazer de Every Day incrível da maneira mais esquisita e apaixonante ao mesmo tempo. Infelizmente, isso tudo fica completamente em segundo plano por trás de romance mais clichê igual de todos os outros filmes sem um espirito errante que habita corpos diferentes de um maneira não assustadora. O diferencial vai sendo esquecido.

Amei o primeiro terço dessa história – profundamente -, me senti em um daqueles filmes adolescentes onde eu mergulho fundo na história e desejo estar naquele exato mesmo ensino médio no meio de todo o drama, vivendo um pouco de tudo o que acontece por ali e vendo os personagens de longe nos corredores da escola. O segundo terço foi uma tentativa de me conformar “não, antes não estava melhor”, mas sim, antes estava melhor. A terceira parte foi onde eu aceitei que antes estava melhor. Assim que o romance dos dois começa a dar certo, a graça de tudo vai diminuindo devagar e como eu disse, todo o diferencial se perde.

Então, se você quer um filme romântico, adolescente, um pouco fora do esperado, fofo e uma opção legal de filme de romance que gira em torno de um ensino médio mas que ainda se encaixa nos clichês, você vai amar Every Day, se apegar nos personagens, mergulhar fundo nesse mundo e aproveitar bastante o filme. Se você procura um filme romântico que foge do padrão clichê, um roteiro mais bem pensado do início ao fim e que te surpreende, este filme vai te decepcionar. Ainda acho que vale dar uma chance (se eu dei uma chance para A Barraca do Beijo, então com certeza vou defender um pouco Every Day aqui porque eu achei pelo menos uma parte deste filme original), mas deixe suas expectativas no início do filme porque eu fiquei é triste com a perda de potencial.


Lançamento: 5 de julho de 2018 (no Brasil)
Duração: 95 min
Direção: Michael Sucsy
Gênero: Drama, Romance
Elenco:

  • Angourie Rice é Rhiannon 
  • Justice Smith é Justin
  • Michael Cram é Nick
  • Debby Ryan é Jolene

Alguns desses atores também são A.


NOTA: ☆ 2,8 de 5


Você já me segue no Instagram? Lá eu aviso quando saí post novo, além de postar tutoriais nos stories e muitas fotos! Ah, fala comigo pela dm, juro que sou legal!

J.D


Siga o blog e saiba antes de todo mundo que tem post novo no Lua de Vênus.
siga no BLOGLOVIN +  ou  + siga no BLOGS BRASIL +

Deixe uma resposta