[ SEM SPOILER ]: resenha “Harry Potter and the Cursed Child”!

Assim como é dito em algum ponto do sétimo livro da saga “Palavras são, na minha nada humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia. Capazes de formar grandes sofrimentos e também de remedia-los.” e isso se prova verdade durante o roteiro de Harry Potter and the Cursed Child, já que, mais uma vez, nos perdemos pelo mundo mágico, choramos por ele, nos afundamos nele e esquecemos que na verdade estamos apenas lendo um livro.

O fato do livro ser na verdade um roteiro e não estar no formato que estamos acostumados não significa nada quando o assunto é a sua qualidade. O livro é tão emocionante como qualquer outro da saga, na realidade, em 3 momentos diferentes, me afundei em lágrimas e fiquei lendo as mesmas páginas de novo e de novo, absorvendo toda a informação e a saudade que eu estava daqueles personagens. O modo com que a J.K. Rowling escreve e nós tanto amamos está presente (apesar de não tão frequente quanto antes), a questão é que a obra não é escrita só por ela e isso afeta esta questão.

Se você pesquisou a opinião de fãs, deve ter ouvido falar de situações que acontecem e talvez pareçam não combinar com os primeiros sete livros, ou melhor, contradizê-los. Apesar de eu realmente questionar algumas decisões dela no desenrolar da história e não discordar de quem disse essas coisas, o que vemos graças a estes acontecimentos, para mim, faz valer a leitura, independente de qualquer incoerência com informações antigas. Não estou dizendo que elas talvez não te incomodem, porque admito que que fazem isso comigo, o que não aconteceu nenhuma vez até Relíquias da Morte então não soube muito bem como reagir e demorei para admitir a “estranheza”.

Acreditem em mim quando digo que a alegria de ver (ou ler, no caso) Harry, Gina, Hermione e Rony constituindo famílias, sendo adultos responsáveis e assumindo falas que antes eram de personagens como Molly Weasley é muito maior do que o possível problema do texto ser em um formato novo e acredito, que maior do que essas teoricamente falhas (na opinião de muitos fãs), que creio que vieram junto com outros dois autores opinando no processo inteiro. Não é preciso ocupar a cabeça com o “drama” do texto ser em outro formato, apenas lembrem-se disso quando sentirem falta de uma ambientação um pouco melhor (já que roteiro não descreve cenários por ser, na realidade, um guia para os atores), suas únicas preocupações durante a leitura devem ser: qual o local mais confortável para ler um livro ininterruptamente e se poderá dar tudo de si enquanto lê o livro pois o mesmo merece atenção aos detalhes que escondem pequenas pérolas para os fãs.

A oitava história vai mexer com feridas antigas no coração de cada fã de Harry Potter e praticamente jogar álcool em cima das mesmas. Ou seja, o livro vai mexer profundamente com o seu emocional e vai atingir fundo pois aborda a vida dos personagens mais profundamente do que faz em outros livros da saga. Mas assim como álcool faz com que uma ferida arda, queime e doa, ele também vai limpar a ferida e ajudar a cicatrizar melhor, pois bem, a oitava história também faz a mesma coisa com você e com a sua relação com esses mesmos personagens.

A realidade é, Cursed Child foge do “felizes para sempre” desde o início e vai em uma direção completamente diferente, é o choque de realidade depois do suposto final feliz que vimos na última página de Relíquias da Morte. É o fim do conto de fadas. A verdade é que todo o livro é o desenvolvido em volta dessa ideia de vida real, dos dilemas clássicos como problemas de relacionamento com os pais, dúvidas, remorso, falta de auto-confiança, medos, inseguranças e é neste mesmo rumo que a lista segue; ou seja, o resultado só pode ser uma obra prima digna de reis já que a J.K. tem uma invejável e única sutileza – ou quem sabe genialidade – para falar de tais assuntos.

Os três autores fizeram um trabalho impecável quando a questão foi me ligar emocionalmente com este roteiro. Acredite em mim, você vai se conectar tão facilmente aos personagens novos quanto se conectou com os antigos e ainda vai sentir o amor adormecido que sentia por personagens presentes desde a Pedra Filosofal acordar novamente e aquecer seu coração. De novo, acredito sim que as falhas e mudanças de informações oficiais que tinhamos antes de Cursed Child podem diminuir a magia em certos momentos, isso porque as vezes parece que estamos lendo uma fanfiction a.u sim, mas sendo uma fanfic ou não, matar a saudade vale passar por estes momentos que tanto incomodaram alguns, mas, quem sabe, você seja um dos leitores que realmente não ligaram para isso e aproveitem por completo.

O que vai te conquistar dentro da oitava história é que nela temos a chance (a qual eu achei que nunca teria) de ver acontecimentos importantes dentro da saga de outro ângulo, conseguimos nos sentir – muito – mais próximos de momentos que moldaram a saga inteira e ver o outro lado de quase tudo o que nós conhecemos nesse universo.

Enquanto esperava para comprar Cursed Child eu admito que questionei se deveria colocar minhas expectativas tão no alto, afinal, me apaixonei pelos livros em um formato e não queria me decepcionar com o tal do roteiro. Admito que um lado meu brigava e discutia com essas minhas dúvidas. “Como você ousa duvidar da Jo?” este meu lado defensor perguntava para o outro!

Como sempre, Harry Potter surpreende. Gosto do fato de que não importa o quanto nós imaginamos o que a J.K. vai criar, ela sempre de algum modo, consegue nos surpreender em algum ponto. Sua criatividade sem limites é o que nos faz viajar eternamente em suas obras e a oitava história é mais uma prova de que a genialidade desta mulher é algo indescritível. Prepare os lenços para chorar, deixe o coração pronto para ler algumas das falas mais bonitas, profundas e honestas de todos os livros, abra a mente, deixe os novos personagens te cativarem e como sempre, deixe as palavras – e suas respectivas magias – te levarem.

A minha dica é que mesmo que você talvez questione se deve parar de ler o livro quando estiver na metade, que fique bravo com um spoiler ou algumas dessas coisas que fogem do que acreditamos ser típico da Jo, eu te digo uma coisa, na verdade, eu te imploro que NÃO PARA DE LER! Confie em mim, leia até o fim e enfrente algumas das melhores cenas dentro de toda a saga. Não vou negar algumas contradições com informações de livros anteriores e até no Pottermore, mas continuo achando que o grande propósito do livro é nos mostrar algumas cenas por outro ângulo e este foi o modo que ela conseguiu para fazer isto.

Essa resenha vai ser um pouco diferente, não vou dar nota para o livro, vou apenas vou deixar aqui a minha opinião de fã, afinal, só quem é potterhead entende aquele sentimento que apenas Harry Potter pode nos dar, só quem faz parte do fandom entende como é bom saber que outro livro desta mesma saga foi publicado e só essas mesmas pessoas entendem o nível de detalhamento e genialidade que a Jo colocou nos livros. Acredito que essas mesmas pessoas também entendem aquele sentimento de “quem sou eu para criticar a J.K. Rowling” e sinceramente, eu não sou nada mais do que uma fiel seguidora da mesma que mais uma vez se apaixonou por seus personagens, por suas histórias, pelo seu talento e que agora sonha acordada com a possibilidade de um dia ir assistir a peça que dá vida a este roteiro lá em Londres (e agora, em New York).

Obra: Harry Potter and the Cursed Child – Parts I & II – Special Rehearsal Edition
Editora: Bloomsbury Publishing (ou seja, é a versão britânica)
Páginas: 330


Compartilhe nas redes sociais a resenha sem spoilers e assim não acabe com a graça do roteiro para ninguém (porque sério, eu fugi dos spoilers feito uma louca desde o anuncio do roteiro) e de quebra, ainda deixe os amigos curiosos pensando “AH MEU DEUS COMO ASSIM HARRY POTTER 8?!”. Ah é claro, aproveita e mostra para o mundo a sua ansiedade para terminar de ler, para comprar ele, para sair a versão em português e poder finalmente ler as palavras geniais da Jo mais uma vez!

Também comente aqui em baixo se já leu, se quer ler, se está esperando a tradução e por ai vai, comentários são amor okay? Mas só para fechar, vou deixar aqui uma pergunta para quem já leu o livro: na sua opinião, quem é a criança amaldiçoada afinal?

(J.D)


ps: Podem ter spoilers nos comentários, então faz assim, comenta ai e sai rapidinho sem ler nada porque não posso garantir se vão ter coisas que você ainda não sabe nos comentários ou não, okay? Okay!


Siga o blog e saiba antes de todo mundo que tem post novo no Lua de Vênus.
siga no BLOGLOVIN +  ou  + siga no BLOGS BRASIL +

twittertumblrfanpage instagram

2 Comment

  1. Eu ainda não li o livro. Resolvi esperar o lançamento dele em português por motivos de preguiça de ler em outra língua hahaha mas tô MUUUUUITO animada para ler. Ainda mais por ser um roteiro. Sou apaixonada por roteiros.

    Ainda bem que você gostou. Eu vi muitas pessoas falando mal, mas notei que em grande parte era pelo formato. Infelizmente, esse formato não são para todos. Tem gente que não consegue ler de forma confortável um roteiro :/

    Adorei a resenha, sou leitora nova daqui. Seu blog é lindo!!! <3

    1. Juliana D'Ornellas says: Responder

      Leia sério! Achei maravilhoso apesar de ser diferente. Acho que por eu ter feito teatro já estou acostumada com o formato de roteiro e também adoro ele! Acho que dá asas para a nossa imaginação ou sei lá. Fico feliz mesmo que tenha gostado da resenha pois é uma coisa nova para mim e que goste do blog porque é nele que eu gasto todas as minhas horas vagas! <3 Volte sempre hein!

Deixe uma resposta