4 dicas para uma alimentação sem glúten!

Não sei se vocês sabem que eu vivo completamente sem glúten, mas não é por opção não. Tenho um problema de saúde chamado doença celíaca, o que é complicado, vai muito além de ler “Não contém glúten” na embalagem, mas isso é uma outra história, a qual na verdade é bem extensa e que eu ainda vou contar em um outro post, mas podem mandar as dúvidas aqui nos comentários ou como vocês normalmente preferem, nas redes sociais do blog (facebook e instagram). Vou falar dicas tanto para lidar com a intolerância ao glúten, a doença celíaca e até sobre a dieta sem glútenafinal, praticamente tudo o que comemos normalmente contém o tal odiado glúten e essa mudança pode ser meio desesperadora, confusa e parecer que nada não contém essa tal coisinha e que todos os alimentos do mundo deixaram de ser opções, mas fique calmo, tem muita comida gluten free boa por aí.


  1. Leia as embalagens (muito bem)!

    Por lei é escrito na embalagem se o alimento contém gluten como ingrediente. Mas por exemplo, em alguns casos, a embalagem diz que não contém glúten mas tem aviso de “contaminação com trigo/cevada/malte”, ou seja, contém glúten. Então se você for celíaco como eu, muito sensível ao glúten ou for retirar isso 100% da sua dieta seja por qual motivo for, muito cuidado com isso! Infelizmente, existem muitos alimentos (na verdade a maioria) completamente contaminados e sem aviso nenhum, mas não custa evitar o que podemos evitar!

    Outra coisa, do nada o produto que não continha glúten aparece com aviso de glúten, então leiam sempre a embalagem porque isso muda muito rápido e do nada!

  2. Prepare a comida antes!

    Para a alegria dos intolerantes e de quem faz a dieta sem glúten, hoje está bem mais fácil achar comida sem glúten por aí (se você for celíaco, não caí nessa porque a contaminação é real e vai te fazer muito mal mesmo), mas, se você é celíaco ou sabe que vai para algum lugar onde não vende comida sem glúten, leve a sua! Pode ser meio chato, incomodo e todas essas coisas, mas no final das contas, se for questão de saúde ou simplesmente para não perder o foco na dieta, é bem melhor ter esse incomodo que dura pouco, do que problemas de saúde ou arrependimentos que duram por umas boas semanas!

  3. A internet é sua melhor amiga na hora da dúvida!


    Nunca vá naquela de “Ah não, já provei de outra marca e não tinha glúten, está tranquilo!”. Estes dias quase fiz a estupidez de usar um molho shoyo sem saber dos ingredientes por que nunca havia encontrado um com glúten, mas decidi pesquisar e não é que um dos principais ingredientes era trigo?! Usa esse google sim e vá, preferencialmente, no site da marca!

    Além disso, as balinhas  de cortesia por aí são um perigo quando a questão é o glúten.

  4. Mistura de farinhas!

    Podemos sim substituir o trigo nas receitas comuns, mas não é tão simples assim. A melhor amiga de uma massa boa e glúten free é a mistura de farinhas, todas sem glúten, é claro! Pode parecer uma dica boba, mas é sério, muda tudo! Por exemplo, você pode fazer o mesmo bolo que fazia antes só que sem glúten, a questão é realmente trabalhar em cima da questão da mistura de farinhas e sinceramente, eu particularmente prefiro bolos sem glúten.

    Um dos únicos reais problemas com massas sem glúten é o pão, não vou negar. É difícil achar um que seja parecido com os pães de trigo, não pareça bolo ou desmanche em 30 segundos na sua mão. Quer um exemplo? O meu pão sem glúten favorito é na verdade literalmente cinza por dentro e a casca dele é branca. A casca é bem dura mas o interior é muito bom e quando você fatia ele, a casca deixa de ser um problema mas enfim, minha família se recusa a comer porque ele é feio. Uma injustiça para ser bem sincera.


Tem muita comida boa sem glúten, a Schar por exemplo é uma marca sensacional para isso, na gringa a Glutino é praticamente mágica sem glúten, inclusive tem uma bolacha que consegue ser melhor do que Oreo. Aqui em Curitba temos 2 pizzarias completamente sem glúten e sem contaminação para matar a vontade e uns bons restaurantes que particularmente, são maravilhosos e cheios de opções gordinhas e saudáveis!

Outra dica é que a hora de cortar o glúten pode ser o momento perfeito para cortar outras coisinhas que você tem vontade de tirar da sua dieta, como o leite animal por exemplo. Quem sabe virar vegetariano, se é o que você quer ou até vegano! Mas vou admitir, ser vegano e sem glúten ao mesmo tempo é um pouco complicado, quase todo alimento vegano contém essa liga que faz tanto mal para tanta gente, mas, se a sua intenção é emagrecer, a alimentação vegana é uma ótima opção.

Sabe, quem corta o glúten por opção simplesmente para emagrecer, tenha consciência de que isso pode fazer com que você desenvolva intolerância e no geral, não é uma atitude recomendada por médicos. Cuidem da alimentação, porque, no final das contas, se a sua intenção é apenas emagrecer, saiba que comida sem glúten geralmente é muito calórica e os industrializados, são praticamente só opções doces. Existem opções bem melhores.

Ah, um “ps” final para quem for celíaco, alérgico ou intolerante, existem muitos medicamentos com glúten e basicamente nenhum tem se quer o aviso. Pois é, você tem que ligar na empresa que fabrica aquele medicamente e descobrir, ou ir na sorte e depois sofrer por isso.

(J.D)


Siga o blog e saiba antes de todo mundo que tem post novo no Lua de Vênus.
siga no BLOGLOVIN +  ou  + siga no BLOGS BRASIL +

twitter – tumblr – fanpage – instagram

2 Comment

  1. Caraca, legal o artigo bem explicado, gostei.
    Muito legal mesmo, bem explicado tirou minhas duvidas.

    Obrigaduuuuu

  2. Tonia says: Reply

    From Answers to Questions. – Bem bonito por sinal.

Leave a Reply