5 coisa que você precisa saber antes de ter um cachorro!

Ah, super lindo, um filhotinho peludinho, fofo, maravilhoso pra tirar foto, ótimo pra fazer carinho, entretenimento pros amigos que vão na sua casa, mas meu amor, cachorro não é bichinho de pelúcia (nenhum ser vivo é), é uma responsabilidade gigante, uma vida nas suas mãos, um filho que nunca cresce e fica independente.

Quem já perdeu um amigo de quatro patas, sabe o quanto eles fazem falta. Por isso mesmo, é o dever do dono cuidar do bichinho do melhor jeito que puder. Afinal, todo o ponto desse post é dizer que ter um cachorro não e só fofura e amor, é muito trabalho e responsabilidade.


1. Dentro ou fora de casa?

Seu cachorro vai ficar onde? Eu, no caso, tenho uma cachorra dentro de casa e uma fora. Isso impacta a vida do bichinho e é sua responsabilidade decidir isso, afinal, muitas vezes, pode não ser opcional deixar um cachorro fora de casa.

Vou usar minhas dogs de exemplo:

🐕🌸💕 – Eu não sei mais como seria minha vida sem essa coisinha linda.

A post shared by " Juliana D'Ornellas " (@judornellas) on

A cadela que fica do lado de fora é a Hermione (a da foto aqui de cima), ela é SRD (ou, vulgarmente falando, vira-lata) e fica do lado de fora.

Ela é extremamente ativa, fica louca em um lugar pequeno e odeia confinamento, ou seja, o comportamento dela rejeita completamente a ideia de viver dentro de casa, ou pelo menos, viver dentro de casa sem roer tudo de ansiedade. Ela ainda tem aquele comportamento de filhote (tem menos de 3 anos) então isso, quem sabe, ainda mude com o tempo. Outro fator importante que eu sempre me preocupei com a relação dela com o frio. Passar frio é sim método de tortura e inclusive pode matar, é preciso se importar com isso. No caso da Hermione, quando está – super – frio, ela continua sempre muito quente, tanto que eu abraço ela para me esquentar, mas, mesmo assim sempre deixamos cobertas para ela (as quais ela insiste em sempre levar na chuva mas nunca lembra de tira-las de lá antes de encharcar todas elas e precisar de novas que estejam secas) e ela tem uma área coberta para fugir da chuva e do vento com segurança. Além disso, ela tem medo do escuro e precisamos deixar uma luz acesa para ela dormir na área coberta. Apesar de fazer repetidas besteiras que me obrigavam a correr com ela para o veterinário 3 vezes por semana quando ela era filhote (e acredite em mim, ela realmente fazia umas besteiras bem sérias que poderiam dar muito errado, não sei na verdade, nem como ela conseguia fazer essas), nunca aconteceu nada, nenhuma reação, nada negativo. Ela é bem resistente, ao contrário da Margo.

Para manter um cachorro seguro, feliz e saudável do lado de fora, temos que tomar muitos cuidados extras! O animal fica mais exposto, propenso a um milhão de possíveis coisas ruins, doenças, outros animais. O cuidado precisa ser bem maior, o que também inclui ficar 20x mais de olho no animalzinho para ter certeza que tudo está certo com a saúde dele. Como eu saberia que ela comeu um milhão de coisas que não devia para levar ela no veterinário, se eu não ficasse muito de olho nela? A questão é que com o cachorro fora de casa, podemos facilmente deixar passar coisas como essas despercebias e isso não pode acontecer. Deu para sentir a responsabilidade né?

dog vs. sol » 🌞

A post shared by " Juliana D'Ornellas " (@judornellas) on

Esta é a Margo, uma Yorkshire que fica dentro de casa.

O comportamento dela é totalmente oposto ao da Hermione, o que, sinceramente, explica porque cada uma se encaixa melhor em um ambiente. Ela dorme o dia inteiro (literalmente), brinca por no máximo 5 minutos; mesmo dentro de casa, de baixo de quilos de cobertas e perto de todo mundo, chega a tremer de frio e inclusive, passar mal pelo menos motivo. Tem reações muito fortes a tudo, incluindo vacinas e se por acaso, engole um inseto (o que, acredite em mim, ela faz muito), passa mal muito fácil.

A Margo é sensível demais para ficar do lado de fora por conta própria, de verdade. Existem cachorros e cachorros, alguns deles simplesmente não conseguem lidar com algumas coisas, afinal, isso de pureza da raça acaba prejudicando a resistência dos bichinhos. Por isso os vira-latas são mais resistentes.

Deu para entender a diferença né? Então, conheça seu cachorro. Não torture o bichinho por não conhecer ele.


2. Xixi, cocô e todos os seus dramas!

Um fato é, cachorros fazem cocô e xixi. Sinceramente, fazer muito. É extremamente chato cuidar disso. Os problemas são muitos, as dificuldades mais ainda.

  • Treinar para fazer tudo no tapete higiênico ou seja qual for o local da sua escolha é um processo longo, cansativo, complicado, as vezes irritante e muito repetitivo;
  • O cachorro vai demorar para aprender na maioria das vezes (é o caso da Margo) e isso exige muita paciência;
  • Mesmo depois de aprender, ele eventualmente vai errar de novo e não adianta massacrar o cachorro, acontece;
  • Se o tapete higiênico ficar dentro de casa, sim, o cheiro é pesado, é tenso, incomoda e o dog vai fazer questão de fazer o número 2 na pior hora possível para que esse cheiro infernize sua vida nessa hora inconveniente;
  • O cachorro se incomoda profundamente com o cheiro das próprias fezes, então, deixar acumular no jardim por exemplo, é tortura. O olfato deles é muito forte, se nos incomoda, imagine como é para o cachorro! Então, se seu cachorro se recusar a ir em uma parte do quintal, dá uma olhada se não tem nenhum cocô por ali e por favor, não deixa seu bichinho sofrendo com o cheiro não ta?
  • Limpar urina do piso é muito ruim e se não limpar direito, dependendo do piso, pode estragar ele;
  • Filhotes fazem xixi de alegria, por um certo ponto de vista é até que fofo, mas é uma situação complicada. Tenha paciência e não adianta brigar com o cachorro por ele te amar tanto que faz xixi em si mesmo;
  • Diarreias acontecem. Sim, é bem ruim;
  • Bônus: vômitos também acontecem.

3. Pelo, banho e todas essas coisas!

Tosa higiênica é necessária, banho é necessário. Cachorros de pelo grande precisam de tosa sim.

Banho e tosa não se resume em largar um cachorro no petshop e ir embora, tomem cuidado aonde mandam eles, por favor, principalmente se o cachorro for bravo, muitas vezes eles machucam os bichinhos para conseguir dar banho ou até coisa pior (experiência própria, perdi um cachorro em uma dessa e não façam perguntas não que eu choro com esse assunto, mas, fica a lição).

Cuidado com alergias. Minha vira-lata tinha alergia a grama, de verdade, ficava bem tenso, não causava dor ou coçava, mas ficava muito vermelho e inchado; a Yorkshire tem reação alérgica na pele do frio e do calor; a alergia das duas melhorou muito com um shampoo adequado (caro, mas adequado)!


4. Veterinários e os gastos com a saúde!

Aqui vão alguns fatos:

  • Eles são absurdamente caros! Ridiculamente extorquem seu dinheiro com preços absurdos. Obviamente, é necessário e não quero desmerecer a profissão de jeito nenhum, mas, até veterinários conhecidos dizem que o preço cobrado é extremamente alto comparado com o custo, mas, é uma despesa necessária, muito necessária! Ou seja, quer um cachorro, tenha consciência do que os gastos são realmente altos e não adianta depois largar o animalzinho por falta de verba, o aviso foi dado e essa vida depende de você! Pense na parte financeira antes de pegar um cachorro, afinal, os gastos vão muito além da compra do bichinho! (ps: dê preferência a adotar, é muito bom e você ainda salva uma vidinha que vai te agradecer por isso com muito amor);
  • Vacinas também são caras, filhotes precisam de muitas delas, mas cachorros adultos continuam precisando! Não deixe simplesmente na mão da clínica veterinária as datas dessas vacinas, fique de olho nelas porque no final, o filho é seu para criar. Principalmente, NÃO DEIXE DE VACINAR!
  • A minha Yorkshire tem reações bem pesadas à vacina, várias vezes precisou tomar remédio depois delas para melhorar então tem que ficar de olho!
  • A saúde do bichinho começa em casa. Ficar de olho no que o animal anda comendo que não seja ração é essencial! A realidade é: eles sempre comem o que não deve e cabe ao dono cuidar com o que são essas coisas que o bichinho comeu para correr pro veterinário, caso seja necessário.
  • Não mediquem os animais por conta própria! O organismo não é igual o nosso, nem o de outros animais, então, NADA DE FAZER ISSO PARA ECONOMIZAR porque as chances são de dar muito errado! Como eu já disse, veterinário é caro sim, mas é necessário e essa verba é um pré-requisito para ter um animal!

5. Psicológico

Cachorros são uns seres muito carentes e sofrem demais emocionalmente. Ter um cachorro não é enfeite, é preciso estar presente para amar o bichinho sempre, e não, fazer carinho nele enquanto você meche no celular pode não ser o suficiente pra lidar com a ansiedade do seu cachorro, afinal, o foco não está nele.

Essa situação pode surgir de forma bem diferente com um cachorro de dentro e de fora de casa, por exemplo:

DENTRO DE CASA:

A Margo, se eu não separo um tempo exclusivamente focado só nela, ela começa a comer tudo o que vê pela frente, estraga moveis, come o que não deve, vai aonde não pode, faz cocô fora do lugar para chamar atenção e por aí vai. Resumindo: o emocional do cachorro pode fazer toda a diferença no comportamento deleou seja, se o seu cachorro anda causando muito problema, tente lidar com uma possível carência dele de uma maneira nova que existe uma grande chance de isso mudar tudo!

Por exemplo, no início, a Margo ficava só dentro do meu quarto quando ninguém estava em casa. Assim que o problema começou. Ela pulava em cima da minha escrivaninha (sim, sem apoio no caminho, simplesmente pulava muito alto) e derrubava tudo, mordia o que não podia, fazia xixi no lugar errado, ficava presa dentro da minha gaveta de sapatos. Era uma peste. A partir do momento que ela começou a ficar livre pela casa toda, ela parou de morder as coisas, nunca mais foi essa destruidora compulsiva. Era tudo ansiedade.

Outro erro muito comum é que como o cachorro que fica dentro de casa tem companhia o dia inteiro, achamos que ele nunca fica carente ou ansioso. Muito pelo contrário e a Margo é a prova disso.

FORA DE CASA:

A questão é a mesma de que o emocional do cachorro faz diferença no comportamento dele. Ele chora muito na hora que você entra em casa? Então faça esse processo de sair de perto dele de outra maneira, com mais calma, que tal se despedir dele? De verdade, isso muda tudo com a Mione! Outra, isso pode ser um sinal do quanto o cachorro sente sua falta ou está carente, nada de esquecer o cachorrinho lá fora e seguir sua vida sem nem dar atenção ao coitadinho.

Para ter um cachorro, você tem que conseguir separar um tempinho para ele! Essa é a lição final dessa parte psicológica.

Traumas:

Caso você adote, saiba que algum trauma psicológico pode vim com o seu cachorro. A Hermione berrava por horas se todo mundo virasse de costas pra ela, mesmo que estivéssemos encostando nela; o medo de abandona era pesado, melhorou muito, mas ainda existe. Eu tive que colocar ela pra dormir todo dia por semanas até ela aprender um pouquinho melhor a lidar com essa “solidão” e por aí ia. Dê tempo ao tempo. Faz parte e no final, acredite, o amor e fidelidade do cachorrinho vai compensar essa sua paciência.

Traumas também podem ser desenvolvidos durante a vida deles, então, tem que ficar de olho no comportamento do animal e lidar com paciência com tudo isso!

A propósito, sempre pensei que era frescura isso de que o amor do cachorro adotado e do comprado ser diferente, mas é. Não é que o cachorro comprado goste menos dos donos (não mesmo), mas a relação, de um jeito estranho, é mesmo diferente.


Posso ter soado pessimista no post, mas, desde que alguém leia isso e tenha consciência de não adotar/comprar um cachorro para depois abandona-lo, então está tudo bem.

Lembrando que eu não sou veterinária (apesar de que eu adoraria ser, mas minhas fobias me impediram de seguir nessa linha) porém pesquisei horrores para cuidar das minhas cachorrinhas e falo com a veterinária delas direto sobre tudo isso e muito mais, sinceramente, muita das coisas ditas aqui, aprendi com ela e com certeza, fizeram toda a diferença no dia-a-dia e na qualidade de vida das minhas pequenas!

: dogs are not our whole life, but they make our lives whole : 🐕💜

A post shared by " Juliana D'Ornellas " (@judornellas) on

Eu amo cachorros, não sei ficar sem. Quando viajo, fico desesperada sem as minhas filhas (entra aí mais um gasto, hotel para os cachorros, afinal, não pode jogar os dogs na rua para poder simplesmente ir pra praia, me poupa né, animais são seres vivos com sentimentos, não façam isso). Elas são minhas fontes de energia positiva nos piores momentos, me distraem de qualquer pensamento ruim que rode a minha cabeça, a Mione é o melhor remédio para a ansiedade do mundo, a Margo é a minha sombra, parece que sempre que eu estou ficando nervosa ela aparece esticando a patinha para eu fazer carihho nela e me distrai impedindo uma gritaria desnecessária da minha parte.

🐻🐶🐾

A post shared by " Juliana D'Ornellas " (@judornellas) on

Ter animais de estimação, na minha opinião, apesar de dar muito trabalho, vale a pena! É puro amor! Mas, exatamente por elas me fazerem tão bem, que eu só posso te-las sendo capaz de cuidar delas do mesmo jeito que elas, inconscientemente, cuidam de mim.

O ponto é sempre ter paciência com esses bichinhos. Principalmente quando são filhotes, a hiperatividade deles dá mais trabalho – e estresse – ainda. Mas paciência é a chave, com o tempo eles se acalmam, com o tempo eles aprendem, com o tempo vocês aprendem a conviver juntos, a questão é saber se vai conseguir ter paciência para tudo isso e se toda essa responsabilidade não vai ser demais.

(J.D)


Siga o blog e saiba antes de todo mundo que tem post novo no Lua de Vênus.
siga no BLOGLOVIN +  ou  + siga no BLOGS BRASIL +

twittertumblrfanpage instagram

Você também pode gostar de ler...

3 Comment

  1. Gostei, bem completo o seu artigo, e refletindo sobre isso dá para perceber que a maioria das pessoas não poderia ter um cachorro.

    1. Juliana D'Ornellas says: Reply

      Muito obrigada!
      Pois é, quem sabe se as pessoas refletissem mais sobre isso, teríamos menos cachorros nas ruas, não é?

  2. Ana says: Reply

    Vou ter que pensar melhor sobre o meu desejo de ter um cachorro…!

    Obrigada <3

Leave a Reply